Estudo de Enquadramento Estratégico Quinta do Almaraz / Ginjal - Enquadramento->


Quinta do Almaraz / Ginjal - Enquadramento
O Estudo de Enquadramento Estratégico (EEE) para a Quinta do Almaraz / Ginjal teve como objetivo acrescentar valor e “fazer cidade” através da definição de intervenções estratégicas de estruturação, requalificação e revitalização sócio-económica e urbanística do território da Quinta do Almaraz e Zona Envolvente, a médio e longo prazo, promovendo um desenvolvimento urbano equilibrado e sustentável e a melhoria da qualidade de vida urbana nesta área do concelho de Almada, conferindo-lhe dimensão metropolitana.

O EEE foi desenvolvido por uma equipa multidisciplinar constituída por cerca de 20 profissionais, das áreas da arqueologia, arquitectura, arquitectura paisagista, planeamento urbanístico, sociologia, economia, tráfego geotecnia, direito e engenharia.
 
Deste modo o EEE analisa de forma aprofundada a área de intervenção e formaliza-se em dois momentos principais – a elaboração do Diagnóstico que efectua um estudo detalhado do tecido físico, social e económico do território em questão, e a definição da Visão, que aponta estratégias de futuro, que permitam cobrir as expectativas de um desenvolvimento sustentável.
  
Da Visão decorrem como ideias-chave a indústria criativa, a arqueológica e a hotelaria que poderão ser os motores de requalificação do Ginjal, Quinta do Almaraz e Castelo de Almada:
 
 
Cais do Ginjal – Indústria Criativa
 
» A proposta aponta para a recuperação dos edifícios mais qualificados e o aproveitamento dos vazios, criando praças interiores, que se desenvolvem a partir das fachadas dos prédios para dentro, no sentido da encosta. Nestas novas áreas, com rasgões sobre o rio e a outra margem, podem nascer núcleos de indústria criativa (ateliers de arquitetura, publicidade, design), mas também zonas de restauração, comércio, pequenos hotéis, habitação e áreas onde aconteçam regularmente actividades culturais como uma feira das artes.
 
» Na área onde existe a atual Casa da Juventude, deverá nascer um silo automóvel e uma ligação mecânica que ligue as cotas alta e a baixa. Este equipamento ficará integrado no novo edifício a construir.
 
  
Quinta do Almaraz – Centro de interpretação arqueológica
 
» A equipa aponta para a transformação da actual Quinta do Almaraz, actualmente um espaço quase invisível, num centro de interpretação arqueológica só comparável, na Península Ibérica, a Cartagena (Espanha). A estrutura desenvolver-se-á sobre patas em cima do espólio, para não o ferir.
 
» O estudo sugere ainda a construção de um projecto social inovador: habitações para jovens com projectos académicos, que precisem de apoio em determinado período da vida. Esta é uma forma de fixar talentos e de inverter a tendência de envelhecimento da população da freguesia.
 
» O projeto assegura também espaços verdes, praças e um centro de dia, para apoiar a população mais idosa e permitir o cruzamento de gerações.
 
 
Castelo de Almada – Hotelaria
   
» Com a transição do destacamento da GNR para a Charneca da Caparica, em terrenos cedidos pela Câmara Municipal de Almada, a área do Castelo ficará liberta para um novo uso. A Visão propõe que neste espaço nasça um hotel com cerca de 40 quartos, com pequenos apartamentos espalhados pelo núcleo antigo de Almada Velha, em casas que se encontrem sem uso.
 
» Nesta área deverão igualmente nascer núcleos de comércio, artesanato e serviços, previstos num plano que deverá ser feito "ao nível do quarteirão", recomenda a equipa.
 
O EEE apontou como estratégia a adotar a elaboração do Plano de Pormenor da Quinta do Almaraz e do Plano de Pormenor "Cais do Ginjal", ambos em desenvolvimento.